Tecnologia líder no mercado de telecomunicações

Das trincheiras, resolvendo problemas com chamadas desconectadas


Imagem dos artigos das trincheiras

Este é um artigo gerado das trincheiras do suporte técnico.

Um dos casos mais comuns e irritantes com VoIP são chamadas desconectadas. Você está no meio de uma conversação e a chamada é desligada abruptamente. Se você estiver fazendo uma venda, irrita, se estiver fazendo uma cobrança é desastroso, o cliente pode facilmente desligar.

Entenda porque as chamadas são desconectadas em VoIP e como solucionar o problema.

Principais razões para uma chamada desconectada:

  1. Timeout do áudio (RTP).  Um dos lados ou os dois pararam de enviar o áudio
  2. Erros de roteamento, encaminhamento errado do ACK
  3. Tratamento incompleto dos RE-INVITES
  4. Bugs nos endpoints ou gateways
  5. Fim do crédito

Processo para identificar o problema

Eu costumo dizer que na resolução de problemas, 90% do tempo é gasto no levantamento de dados e apenas 10% na análise.  Se você estiver com um problema de chamadas desconectadas a primeira coisa a fazer é reproduzir o problema e fazer uma coleta de logs e traces SIP.  Você pode usar a ferramenta de SIP trace do SipPulse ou simplesmente o ngrep.

Análise diferencial

Quando reproduzir o problema, tente entender se a chamada está ficando muda ou está sendo desligada. Isso é chave para o entendimento do problema.

Desligamento da chamada

Quando ocorre o desligamento, a chamada é encerrada, não apenas ficando muda. O primeiro passo em uma chamada desligada é identificar quem gerou o desligamento. Isso pode ser feito analisando a origem do pedido de BYE.  O SipPulse possui um relatório de motivos de desligamento e pode rapidamente identificar a origem e causa do desligamento.

O BYE pode ter sido enviado de três possíveis fontes:

  1. BYE vindo do destino (terminação)
  2. BYE vinda da origem (cliente)
  3. BYE vindo do servidor

BYE vindo do cliente.

Se o BYE está vindo do cliente, deve se explicar ao cliente que ele mesmo está desligando a chamada e pedí-lo para examinar na sua platafoma o que está ocorrendo.  Muitas vezes pequenos problemas de interoperabilidade podem ocasionar as quedas.

BYE vinda da terminação

Da mesma forma se o BYE está vindo da terminação, cabe a ele explicar porque seu sistema ou gateway está originando um BYE.  Eventualmente podem ser encontrados problemas de interoperabilidade.

BYE vindo do SipPulse.

Se o BYE está vindo do SipPulse é preciso analisar as seguintes causas.

  1. Falta de ACK. Alguns clientes não roteiam corretamente o ACK, não são capazes de entender os cabeçalhos ROUTE e RECORD_ROUTE. Algumas vezes a terminação envia um RECORD_ROUTE incorreto (Asterisk sem externip por exemplo).  Se o SipPulse enviar um BYE após 5s, significa que ele não recebeu o ACK e desligou para evitar maiores danos. Se o ACK não veio o BYE não vai vir e a chamada ficará presa. Verifique no trace se o pedido de ACK possui o campo Route:, se não tiver, eis o problema.
  2. Falta de áudio em uma das pontas. Se o SipPulse estiver tratando mídia (Media KeepAlive), e um dos lados parar de enviar áudio a chamada será desconectada em 90 segundos para não ficar presa.  As vezes se o CODEC é g729B com supressão de silencio, isto pode acontecer. É possível no SipPulse configurar o RTPPROXY para mandar a notificação de desconexão apenas se os dois lados pararem de enviar áudio.

Chamada Muda

A resolução da chamada muda é ainda mais desafiadora. A grande maioria dos casos de chamada muda ocorre por falha em um dos firewalls no caminho. É importante lembrar que o RTP no caso do SipPulse é independente e pode estar sendo enviado diretamente ao gateway da sua interconexão.

Os principais motivos de chamada muda são:

  1. Endereço errado no Session Descrition Protocol
  2. Bloqueio no firewall entre os endereços descritos no SDP
  3. Application Layer Gateway no meio do caminho
  4. Re-INVITE com endereços SDP errados ou falta do cookie nat=yes, mkp=yes

Endereço errado no SDP (Session Description Protocol)

Um dos casos mais comuns, é uma falha no sistema onde no endereço SDP após a passagem no Proxy ainda é mostrado um endereço interno (iniciando com 192.168, 172.16 ou 10). Não há conectividade e a chamada fica muda. Este caso é muito comum com NAT (tradução de endereço de rede).

SDP presente no INVITE

c=IN IP4 10.8.1.31.
t=0 0.
m=audio 17844 RTP/AVP 0 8 18 101.

SDP presente no 200 OK

c=IN IP4 10.8.1.28.
t=0 0.
m=audio 21550 RTP/AVP 0 101.

Se você observar, no exemplo acima os endereços informados para troca de áudio foram 10.8.1.31 na porta UDP 17844 e 10.8.1.28 na porta UDP 21550, o codec negociado é o 0 (g711 ulaw). Como existe conectividade entre esses endereços o áudio está normal. Desconfie se você começar a ver endereços que estão atrás de NAT e que não foram convertidos para os endereços externos do roteador. Se não houver conectividade bidirecional entre os endereços a chamada vai ficar muda. É isto que queremos observar na captura.

Bloqueio no firewall

Se você verificar o SDP e os endereços estiverem corretos, é provável que um firewall no meio do caminho esteja barrando os pacotes de RTP entre os pontos. É comum o cliente autorizar o IP do provedor, mas esquecer de autorizar o IP de todos os gateways com quem se comunica diretamente.

ALG no meio do caminho

Para aqueles que tem um firewall SonicWALL, Microtik entre outros é bom desativar todo e qualquer tratamento específico de VoIP. Na maioria das vezes causa mais problema que resolve. O SipPulse é capaz de resolver sozinho os problemas com NAT se houver ALG nos firewalls, por favor desative. Um teste fácil é configurar uma porta diferente de 5060 no proxy e no cliente. Se a chamada passar, significa que um ALG estava causando problema.

ReINVITE com endereços SDP errados

O estabelecimento da chamada pode ter ocorrido corretamente, mas após 90s por alguma razão a chamada ficou muda. Um Re-INVITE pode ter sido gerado com endereços SDP errados. Os RE-INVITES são marcados com cookies (nat-yes, mkp=yes). Se estes cookies são suprimidos no gateway ou no cliente, no RE-INVITE o sistema não saberá que tem de ativar o RTPPROXY novamente. É fácil de ver, basta examinar o SDP das mensagens de RE-INVITE e ver se o pedido após passar no proxy contêm o endereço do RTPPROXY no SDP. Uma dica para reproduzir o problema é pressionar a tecla Hold e Resume. O Hold gera um Re-INVITE. Se ficou mudo após o hold, tem problema no Re-INVITE.

Resumo

Chamadas mudas não são difíceis de serem diagnosticadas, mas é preciso reproduzir o problema e coletar dados antes de chegar a uma conclusão. Abaixo um resumo do que verificar:

Relatório de chamadas desconectadas

SIP Trace

- ACK sem Route

- Endereços no SDP que não tem conectividade entre sí

-  Firewalls e roteadores com ALG (Mudar porta de 5060 p/ outra no cliente e servidor)

Teste de Hold/Resume para RE-INVITES

Eu espero que este artigo lhe ajude a encontra chamadas desconectadas e mudas mais rapidamente.

 

 


Categorias: Dicas Suporte, Sem categoria

Tags: , , , ,

Tradução SIP e ISUP usando SIP-I e SIP-T


Após o processo de privatizações, diversas empresas se habilitaram para serem operadoras “espelhinho”. Hoje são mais de 600 licenças STFC emitidas pela Anatel.  Um dos grandes desafios que estas empresas enfrentam é a interconexão com outras operadoras.  Além de todo o processo burocrático, um dos grandes empecilhos é o investimento na aquisição de gateways SS7.  Este investimento tem de ser feito pelas duas partes causando uma demora ainda maior no processo.

SIPISUPSTACK

Figura 1

Algumas operadoras de telefonia móvel começaram a disponibilizar a interconexão através do protocolo SIP-I que nada mais é que o ISUP (ISDN User Part), que é uma das camadas mais altas do SS7. Abaixo você pode ver  a pilha de protocolos SS7.

Do ponto de vista prático, o SIP-I simplifica o processo porque na camada física, enlace, rede e transporte, passa-se a usar protocolos conhecidos como Ethernet, IP e UDP.  O fato de uma rede Ethernet suportar circuitos Fast e Giga de 100 e 1000 Mbps, reduz drasticamente o custo de interfaces E1.  Comparando um circuito E1 suporta 30 chamadas simultâneas, enquanto um FastEthernet pode chegar a 1000. O processo de tradução também é mais leve fazendo com que um tradutor SIP para SIP-I suporte um número de chamadas simultâneas muito maior com um menor investimento em hardware e software.  Se pensarmos que o modelo é de ligações NxN o número de circuitos necessários se reduz exponencialmente.

Como o protocolo ISUP é encapsulado no SIP, não há perda de sinalização. Os códigos de retorno são preservados, bem como categoria e outros atributos de telefonia pública. Veja na figura abaixo ofluso de uma chamada SIP com  o ISUP encapsulado.

Fluxo de uma cgamada SIP-I

Figura 2.

A SipPulse desenvolveu e está colocando em operação tradutores SIP para SIP-I/SIP-T.  Isto está permitindo que nossos clientes cresçam com um menor investimento em hardware.  Se você precisa de soluções eficientes para seus problemas de telecomunicação, procure a SipPulse, temos uma enorme gama de soluções técnicas para os desafios da telecomunicação.


Categorias: Produtos e Soluções

Chamadas simultâneas versus chamadas por segundo CPS


EficiênciaLimitando chamadas por segundo de forma inteligente

Quando as pessoas perguntam qual é o desempenho do SipPulse, eu normalmente respondo que é acima de 1000 chamadas por segundo.  É claro o pessoal de vendas repassa esta informação aos Call Centers que compram tráfego. Nossa plataforma suporta … No entanto é importante entender que não basta ser capaz de processar centenas de chamadas por segundo, é preciso ter canais disponíveis para completá-las.  Quando uma plataforma VoIP recebe um volume excessivo de chamadas ela passa a retornar um congestionamento  (503 Service Unavailable). Mesmo com o congestionamento a chamada é encaminhada ao gateway e um CDR é gerado para fins de estatística consumindo mais CPU, mais disco, mais tempo de backup, em outras palavras, mais custo, sem completar uma única chamada a mais.  O  indicador ASR (relação entre chamadas atendidas e chamadas enviadas) diminui e a percepção da qualidade da operação cai. Em casos extremos o próprio gateway pode travar com o excesso de cps como já vimos acontecer.

O que você pode fazer?

1. Limitar o número de chamadas que podem ser enviadas a cada gateway. isto pode ser feito associando o atributo “maxcalls” ao gateway.

2. Você pode também, limitar o número máximo de CPS (também chamado de CAPS, Call Attempts per Second) de acordo com a quantidade de canais disponíveis.

Como dimensionar o CPS máximo de um cliente. Por exemplo: uma operação que pode ocupar  120 canais com a seguinte característica de tráfego, ASR de 20% e tempo médio de chamada de 30s.

ChamSim = ASR * ACD * CPS * 0.6

Onde:

ChamSim – Chamadas simultâneas

ASR = Relação atendimento/ocupação (Answer to Seizure Ratio) em %

ACD = Duração média em minutos

CPS = Tentativas de chamada por segundo

Aplicando a fórmula:

120 = 20 * 0,5 * CPS * 0,6

Isolando o CPS

CPS = 120 / (20 * 0,5* 0,6) = 20 cps,

Em outras palavras um cliente que possui este tipo de tráfego pode ser atendido com módicos 20 cps. Você pode limitar a quantidade de CPS na tela de configuração do assinante no campo “cps”.

Acima deste valor você está apenas desperdiçando recursos na sua plataforma e gerando um monte de bilhetes com falha.

Os Call Centers que entenderem esta fórmula podem limitar o fluxo de chamadas evitando de “queimar” o mailing tão rapidamente e também desperdiçar recursos.

Espero ter podido ajudar os nossos clientes nas suas operações com esta simples fórmula.


Categorias: Dicas Suporte, Plataforma VoIP

Tags: , , ,

Session Border Controller da SipPulse agora disponível na ShopVoIP


SBC_Front_landing_page-228x228Os preços do novo SBC da SipPulse estão agora disponiveis no ShopVoip  http://www.shopvoip.com.br/index.php?route=product/category&path=141.  Solicite atendimento especializado  no caso de dúvidas ou customizações. O sistema funciona a partir de 15 sessões até 2000 licenciado por software. Dois modelos principais o SBC-1000 até 300 sessões e o SBC-2000 até 2000 sessões com fonte redundante. Você pode proteger sua plataforma VoIP ou softswitch, balancear carga, normalizar cabeçalhos e números e interconectar com outras operadoras. Consulte-nos para projetos especiais.


Categorias: Produtos e Soluções, Session Border Controller

Tags: , , , , ,

O que diferencia uma plataforma VoIP softswitch class 4, 5 e Hosted PBX?


softswitchExiste muita confusão no mercado em relação ao que são as classes de softswitch e seus recursos. Esta nomenclatura vem do tempo dos switches com comutação de circuitos, mas ainda são usadas na era do NGN Next Generation Networks.

O que é um softswitch afinal?

O softswitch é um software que roteia chamadas. Mais recentemente surgiu a expressão VoIP switch que é um software que roteia chamadas VoIP baseado em lógica de programação e acesso a bancos de dados.  Um softswitch pode encaminhar tanto chamadas através de VoIP quando através de troncos E1, SS7 e até mesmo ramais em alguns casos. No Brasil é comum chamar softswitch de Plataforma VoIP.

Quais as diferenças?

É importante entender as diferenças para saber o que esperar de cada uma das classes.

Class 5 Softswitch

Um softswitch de class 5 é usado para atender os assinantes.  Estas plataformas VoIP tem como característica suportar um grande volume de usuários registrados. Além disso vários recursos de assinante como secretaria eletrônica e siga-me são indispensáveis. A central de assinantes do SipPulse é um switch classe 5 que permite a execução de várias áreas locais juntas a até um milhão de usuários registrados sem NAT. A plataforma VoIP faz também a tarifação dos assinantes de forma pré e pós-paga além do controle anti-fraude.

Class 4 Softswitch

Um softswitch classe 4 é usado para rotear chamadas entre operadoras.  Ele normalmente é usado para rotear chamadas entre diferentes áreas e para chamadas internacionais. Hoje com a NGN e uma base de assinantes centralizada, muitas vezes não vale a pena a aquisição de um novo softswitch para uma nova área local. Características comuns de class 4 softswitches são o desempenho e roteamento associado ao BDO (banco de dados operacional) e o cadastro de prefixos.  A Plataforma VoIP softswitch e central de trânsito do SipPulse é um switch de classe 4 que roteia entre áreas locais de forma inteligente e integrada ao BDO.

Hosted PBX ou PABX Virtual

O PABX virtual é uma variação do switch classe 5. Ela adiciona os recursos de transferência, captura de chamadas, conferência e filas de atendimento. A maioria dos Hosted PBX são multi-tenant (permitem várias empresas no mesmo equipamento).  O objetivo é reduzir o custo do cliente com a aquisição e manutenção de centrais telefônicas.  Embora a popularidade nos EUA de operadoras como a RingCentral, e a 8×8 seja inegável. No Brasil esta modalidade ainda está engatinhando devido ao alto custo dos telefones IP importados.  A SipPulse oferece o HostedPBX multi-tenant para operadoras.

Resumo

Escolha a ferramenta certa para o trabalho certo. Classe 5, assinantes, Classe 4 entre áreas e internacional e HostedPBX para PABX virtual. Os recursos são um pouco diferentes entre as classes. Procure uma empresa que pode lhe dar a solução completa para operar como VoIP, operadora STFC ou PABX virtual como a SipPulse. Nossa experiência em dezenas de clientes vai ajudar sua empresa a ter sucesso mais rápido com menos percalços.


Categorias: Plataforma VoIP, Produtos e Soluções

Tags: , , , , , ,

Novas tarifas de DETRAF vigoram a partir de 24/2


legislaçãoNovas tarifas de DETRAF podem ser baixadas de:  http://leads.sippulse.com/tarifas-detraf-2016

A Anatel definiu as tarifas de DETRAF nos Atos 6210 e 6211. Estas tarifas são publicadas no diario oficial e são as vezes difíceis de achar na Internet. Colocamos aqui as tarifas compiladas para facilitar a vida de nossos clientes.

As tarifas baixaram significativamente.  Para móvel desceram para valores próximos a nove centavos. Houveram também reduções na TU-RL, VU-M, TU-RIU-1 e TU-RIU2


Categorias: Legislação, Tarifação

Tags: , ,

Plataforma VoIP para STFC, 10 dicas de como selecionar


Plataforma VoIP para STFC

SipPulse softswitch

No momento em que você decide comprar uma plataforma VoIP para operar um serviço de telefonia fixa comutada- STFC, é importante atentar para uma série de recursos que são importantes para a operação. Abaixo seguem algumas dicas.

1. Procure uma plataforma apropriada para seu tamanho de operação.  As grandes operadoras podem ter muitas pessoas e diversos departamentos para operar o serviço. No entanto as pequenas e médias precisam fazer todo o serviço com uma equipe reduzida. Um plataforma integrada que inclui tarifação e DETRAF ajuda muito.

2. Roteamento Inteligente.  Procure uma plataforma que faça roteamento baseado em banco de dados e tabelas da Anatel. Em outras palavras que não exija da sua equipe digitar todos os prefixos da operação. Com uma equipe reduzida quanto menos trabalho maior a produtividade e mais segura é a operação.

3. Redundância. Uma operação STFC não pode parar, por isso redundância e continuidade operacional são importantes. A SipPulse oferece operação em redundância e cluster.

4. Possibilidade de operar várias áreas de numeração ao mesmo tempo. Há plataformas no mercado que só operam em um uma única área de numeração (ex. 11, 21, 41…). Na hora de expandir se sua plataforma não permitir rodar todos os seus assinantes de forma centralizada, você vai ter de despender mais recursos de hardware e de operação do sistema.

5. Suporte a Multi-Tenant e Revendas. Uma fonte importante de receitas das operadoras são as revendas. Na maioria dos casos são operadoras menores que não puderam investir em uma outorga STFC ou nas interconexões. Com o multi-tenant você pode criar domínios virtuais para acomodar estas revendas.

6. Integração através de WebServices. O SipPulse está integrado a mais de 8 diferentes CRMs de mercado. Todas as chamadas ao sistema estão disponíveis através do padrão SOAP/XML e documentadas.

7. Sistema Anti-Fraude. Procure uma plataforma que evite que um cliente com um PABX invadido ponha tudo a perder. O nosso anti-fraude permite pela análise de comportamento detectar padrões de fraude e impedí-las antes mesmo de começarem. Além disso o sistema protege também contra DoS/DDos e bloqueio de tentativas de autenticação com falha.

8, DETRAF embutido. O DETRAF é uma das fontes mais importantes de receita para uma operadora. Certifique-se que a sua plataforma gere o documento do DETRAF de forma automática. Algumas plataformas geram apenas a tarifação com o tronco e chamam isso de DETRAF. Uma plataforma que gera DETRAF tem de gerar no formato definido pela ANATEL reduzindo assim seus custos operacionais.

9. Suporte Técnico. Tenha certeza que sua plataforma tem suporte telefônico no Brasil. A operação STFC é crítica e requer SLAs de menos de duas horas. A SipPulse é excelência no suporte contando com equipe altamente especializada e suporte 24/7/365.

10. Busque referências. Antes de contratar entre em contato com pelo menos três clientes das plataforma que você pretende usar e pesquise a satisfação dos clientes. Trocar de plataforma depois é trabalhoso, por isso é importante acertar na primeira vez.

Para informações adicionais ou solicitar acesso ao demo entre em contato

 

 


Categorias: Plataforma VoIP, Produtos e Soluções

Tags: , ,

WEBINAR SOFTSWITCH SIP Para Operadoras de Telefonia STFC


webinar

Dia 22 de outubro de 2015 as 10:30h será realizado um Webinar gratuito sobre o softswitch SIPPulse para operações de telefonia STFC. Neste evento abordaremos as características de roteamento, confirguração e operação do softswitch PULSE STFC, além de aspectos da flexibilidade de implantação, robustez, capacidade de expansão, segurança e eficiência operacional.

Apresentaremos ainda o uso do sistema em tempo real, simulação de configurações e operação da plataforma, com destaque às funções de Trânsito, módulo complementar e integrado ao softswitch que gerencia a troca de tráfego com outras operadoras, a carga integrada de dados do CADUP e BDO e a geração do DETRAF.

Inscreva-se para o evento acessando: http://bit.ly/1hO1mdM
Leia mais…


Categorias: Dicas Suporte, Plataforma VoIP, Produtos e Soluções

Tags: , , ,

Gateway GSM Openvox com consulta a portabilidade numérica ATI


Gateway_GSM_OpenVox_VoxStack_Serie

O Gateway GSM VoxStack da Openvox, conta também com a opção de consulta a portabilidade numérica. Este recurso está disponível no menu MNP (Mobile Number Portability), para utilizá-lo é necessário contratar o serviço de consulta a portabilidade numérica com uma empresa que forneça o serviço de consulta através de web service, que é o modelo de consulta adotado pelo gateway.

Veremos agora o passo a passo para configurar o seu Gateway GSM Openvox para realizar a consulta de portabilidade numérica através do serviço de consulta ATI. Leia mais…


Categorias: ATI - Automatic Telco Identification, Dicas Suporte, Parcerias

Tags: ,

ATI EF – chamada entrante encaminhada para o ramal correto


ATI-EF3_chamada_entrante_gateway_GSM

Quando um cliente retorna a chamada ligando para o seu gateway GSM (chipeira), a chamada entrante está sendo encaminhada para a pessoa certa?

Vamos imaginar a seguinte situação: alguém da sua empresa liga para um cliente para tratar determinado assunto, o cliente por estar indisponível no momento não atende, porém depois retorna a chamada para o número do chip que ligou para ele, discando para o seu gateway GSM, quando a sua central telefônica recebe esta chamada vinda pelo gateway ela encaminha para quem? Para a secretária, para uma URA, para uma fila? Em caso afirmativo, como a pessoa que atender saberá quem discou para esse cliente ou qual era o assunto dessa chamada? Quanto sua empresa pode estar perdendo por um simples detalhe como este? Pensando nisso a SipPulse criou o ATI EF: Leia mais…


Categorias: ATI - Automatic Telco Identification, Dicas Suporte, Produtos e Soluções

Tags: ,